Pesquisadores da UFSCar buscam voluntários para avaliação não invasiva da pressão intracraniana

5 dias atrás 60 visualizações
LinkedIn

Projeto precisa de homens e mulheres saudáveis, com idade entre 46 e 80 anos e praticantes de atividade física, para experimentos com um novo aparelho desenvolvido pela startup Brain4care (foto: divulgação)

11 de junho de 2021

Agência FAPESP* – Homens e mulheres saudáveis, com idade entre 46 e 80 anos e praticantes regulares de atividade física, podem participar como voluntários de uma pesquisa que está sendo realizada na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O estudo faz a caracterização das curvas de normalidade da pressão intracraniana (PIC) de forma não invasiva, com tecnologia desenvolvida pela empresa Brain4care, por meio de um projeto apoiado pelo Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) da FAPESP.

A tecnologia utiliza um sensor preso à cabeça por uma faixa para medir a PIC – diferentemente dos meios tradicionais em que é preciso perfurar a cabeça do paciente. A pressão intracraniana é um parâmetro vital e serve para os médicos identificarem doenças neurológicas, como acidente vascular cerebral (AVC), hipertensão arterial, hematomas, meningite e sepse.

A pesquisa da UFSCar faz parte de um estudo desenvolvido pela doutoranda Gabriela Nagai Ocamoto, com bolsa da FAPESP e orientação do professor Thiago Luiz de Russo, do Departamento de Fisioterapia da UFSCar.

Nesse experimento, os voluntários escolhidos serão aqueles que não apresentem doença prévia como diabetes, pressão alta, colesterol alto, nem tenham sofrido infarto; também não podem fumar ou ingerir bebidas alcoólicas em grande quantidade.

Os aprovados passarão por testes e serão acompanhados pelos pesquisadores que pretendem desenvolver uma referência de padrão de normalidade da pressão intracraniana para comparação com diferentes condições de saúde, como AVC, traumatismo craniano e tumores. Outros estudos já fizeram a correlação e validação da tecnologia, como um realizado recentemente na Universidade Estadual Paulista (Unesp), que mostrou a relação entre PIC e hipertensão arterial (leia mais em: agencia.fapesp.br/35761/).

De acordo com Ocamoto, a partir da tecnologia da Brain4care, muitos avanços para monitorização não invasiva de PIC foram identificados, com impacto na complementação do monitoramento de pacientes internados em ambiente hospitalar.

"A partir das informações que teremos com esse estudo, os médicos de uma UTI [Unidade de Terapia Intensiva], por exemplo, poderão realizar a monitorização não invasiva da saúde cerebral dos pacientes e identificar, por meio de padrões de normalidade, seu estado clínico”, disse a pesquisadora em entrevista à Coordenadoria de Comunicação Social da UFSCar.

Os participantes farão exame de sangue, avaliação dos vasos sanguíneos, da atividade cardíaca e da saúde cerebral, gratuitamente. A coleta do exame de sangue será feita em clínica laboratorial de São Carlos e, as demais avaliações, serão no Laboratório de Pesquisa em Fisioterapia Neurológica (LaFiN).

Todas as atividades presenciais serão realizadas a partir de rigorosos padrões de biossegurança, incluindo o fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPIs) para voluntários e pesquisadores.

Os interessados devem entrar em contato com a equipe pelo e-mail [email protected], ou pelos telefones/WhatsApp (16) 98813-9855 (Camila) e (16) 99781-5042 (Gabriela).

* Com informações da Coordenadoria de Comunicação Social da UFSCar.
 

  Republicar

Fonte: Agência FAPESP

Tags: pressão ufscar voluntários pic invasiva

Leia a notícia inteira