Pesquisa encontra poluentes orgânicos persistentes em órgãos fetais

1 mês atrás 391 visualizações
LinkedIn
Transferência de produtos químicos do soro materno para a placenta e tecidos fetaisTransferência de produtos químicos do soro materno para a placenta e tecidos fetais. Richelle D. Björvang et al, Chemosphere, junho de 2021.

Pesquisadores do Karolinska Institutet encontraram produtos químicos industriais nos órgãos de fetos concebidos décadas depois que muitos países proibiram as substâncias.

Em um estudo publicado na revista Chemosphere, os pesquisadores pedem que os tomadores de decisão considerem o impacto combinado da mistura de produtos químicos que se acumulam nas pessoas e na natureza.

“Estas são descobertas importantes que exigem que os reguladores considerem o impacto coletivo da exposição a vários produtos químicos, em vez de avaliar apenas um produto químico por vez”, diz a primeira autora Richelle Duque Björvang , estudante de PhD no Departamento de Ciência Clínica, Intervenção e Tecnologia da Karolinska Institutet.

Os pesquisadores estudaram as concentrações de 22 poluentes orgânicos persistentes (POPs). Estes são produtos químicos tóxicos que permanecem no meio ambiente por longos períodos de tempo e se acumulam nos seres humanos através dos alimentos, água potável e partículas de ar. Os membros da UE e muitos outros países assinaram um tratado que proíbe ou restringe a fabricação e o uso desses produtos químicos.

No estudo, os pesquisadores examinaram amostras de tecido adiposo fetal, fígado, coração, pulmão e cérebro de 20 gestações que, por vários motivos, terminaram em natimortos no terceiro trimestre de 2015-2016. Os pesquisadores identificaram pelo menos 15 dos 22 POPs em cada órgão. Quatro produtos químicos foram encontrados em todos os tecidos de todos os fetos. Os produtos químicos mais difundidos foram:

HCB, um pesticida usado anteriormente para proteger culturas alimentares de fungos; DDE, um metabólito do DDT, um matador de insetos usado em meados de 1900; Variantes de PCBs, produtos químicos usados anteriormente em uma variedade de produtos elétricos.

Estimando a exposição fetal

A maioria dos métodos atuais para estimar a exposição fetal a produtos químicos baseia-se em amostras de sangue e placenta maternas como substitutos. O novo estudo descobriu que, para alguns dos produtos químicos, as concentrações nos tecidos fetais excederam as encontradas no sangue materno e na placenta. Isso pode ser explicado pelo fato de que esses produtos químicos tendem a se acumular no tecido adiposo devido à sua estrutura. No entanto, os níveis no fígado e pulmão fetal também excederam os encontrados na mãe. Alguns pesticidas – PeCB, a – HCH, – HCH e oxiclordano – foram detectados no tecido fetal mesmo quando não foram quantificados nas amostras de sangue materno ou na placenta. De acordo com os pesquisadores, essas últimas descobertas sugerem que as amostras de sangue e placenta podem dar uma imagem enganosa sobre a diversidade e concentração de produtos químicos aos quais os bebês são expostos durante o desenvolvimento inicial.

Este estudo investigou apenas a presença e concentração de vários produtos químicos, mas não suas ligações com potenciais riscos à saúde. No entanto, os pesquisadores apontam que vários estudos anteriores relacionaram a exposição precoce aos POPs a resultados adversos à saúde, como baixo peso ao nascer, diabetes gestacional, TDAH, infertilidade, obesidade e redução da produção de esperma. Por exemplo, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) revisou recentemente sua avaliação de risco de dioxinas e PCB semelhantes às dioxinas e concluiu que a ingestão alimentar na Europa está atualmente em um nível que pode prejudicar a fertilidade dos homens.

“Obter uma imagem precisa da exposição química no início do desenvolvimento humano é fundamental para avaliar as consequências para a saúde de curto e longo prazo para as gerações futuras”, diz a última autora Pauliina Damdimopoulou , pesquisadora do Departamento de Ciência Clínica, Intervenção e Tecnologia do Karolinska Institutet. “Portanto, acreditamos que as abordagens atuais que estimam a exposição química fetal, por exemplo em estudos de coorte de nascimento, precisam ser atualizadas para refletir melhor a probabilidade de que, para alguns produtos químicos, a exposição fetal seja realmente maior do que o que mostram as amostras de sangue e placenta.”

Diferentes tipos de tecido

Treze das gestações também tinham dados de um estudo anterior sobre PFAS [https://news.ki.se/pfas-chemicals-pass-from-mother-to-fetus-throughout-pregnancy] (produtos químicos usados em frigideiras, embalagens de alimentos e espuma de combate a incêndio). Ao combinar esses dados, os pesquisadores foram capazes de avaliar a proporção de produtos químicos em cada tipo de tecido. Enquanto os pesticidas e os PCBs estavam significativamente sobre-representados no tecido adiposo, mais da metade dos produtos químicos no pulmão, cérebro, fígado e coração fetais eram devidos ao PFAS. No geral, a maior concentração de uma mistura de produtos químicos foi encontrada no tecido adiposo e a menor no cérebro. O estudo descobriu que a exposição relativa dos meninos era maior em comparação com as meninas.

“Estudos realizados nas décadas de 1960 e 1970, quando os POPs eram amplamente usados, encontraram níveis mais altos em comparação com os nossos”, diz Richelle Duque Björvang. “Isso mostra que a ação política que leva a restrições no uso de produtos químicos tem impacto sobre a exposição da população, embora no caso de produtos químicos persistentes demore várias gerações para se livrar da exposição.”

Os pesquisadores reconhecem que o estudo tem algumas limitações, incluindo um tamanho de amostra relativamente modesto e que incluiu apenas fetos que morreram no útero no final da gravidez. Portanto, pode não ser totalmente representativo de bebês nascidos vivos.

As amostras de tecido foram coletadas do Stockholm Medical Biobank. Os pesquisadores receberam financiamento do Conselho Sueco de Pesquisa para o Desenvolvimento Sustentável (FORMAS), da Fundação Jane & Aatos Erkko e do Departamento de Mulheres do Fundo de Desenvolvimento de Sundsvall.

Fatos sobre POPs

Poluentes orgânicos persistentes (POPs) são produtos químicos tóxicos de fabricação humana que, uma vez liberados no meio ambiente, permanecem intactos por períodos excepcionalmente longos e se distribuem amplamente pelo ar, solo e água. Atualmente, existem 30 POPs listados na chamada Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes , um tratado ambiental internacional iniciado pelas Nações Unidas para eliminar ou restringir a produção e o uso dePOPs. Mais de 150 países ratificaram o acordo. A lista inclui pesticidas, produtos químicos industriais e subprodutos, muitos dos quais foram proibidos por muitos países ao redor do mundo, mas continuam a afetar o meio ambiente e a saúde humana e animal.

Referência:

“Mixtures of persistent organic pollutants are found in vital organs of late gestation human fetuses,” Richelle D. Björvang, Marie-Therese Vinnars, Nikos Papadogiannakis, Sebastian Gidlöf, Linn Salto Mamsen, Daniel Mucs, Hannu Kiviranta, Panu Rantakokko, Päivi Ruokojärvi, Christian H. Lindh, Claus Yding Andersen, and Pauliina Damdimopoulou, Chemosphere, online June 8, 2021, doi: 10.1016/j.chemosphere.2021.131125

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original do Karolinska Institutet

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/06/2021

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para [email protected] . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para [email protected] ou [email protected] O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Fonte: EcoDebate

Tags: produtos químicos exposição ecodebate pesquisadores

Leia a notícia inteira