Grande festa: veja como foi a Abertura Nacional da Colheita da Soja

4 meses atrás 45 visualizações
LinkedIn

O município de Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia, sediou pela primeira vez a Abertura Nacional da Colheita da Soja, nesta quinta-feira, 4. Considerado um dos mais importantes da sojicultura brasileira, o evento foi uma grande festa, com direito a debates pertinentes ao setor, informações meteorológicas para os próximos meses e o lançamento do prêmio Personagem Soja Brasil safra 2020/2021.

O presidente da Aprosoja Bahia, Alan Juliani, agradeceu por Luís Eduardo Magalhães ter sido escolhido para sediar este grande evento. “Representamos não só o oeste da Bahia, mas o Matopiba. Mostramos a nossa qualidade e a tecnologia de produção. Este é um município, que há 30 anos não produzia nada, agora é o maior produtor de soja do Nordeste”, destacou.

Juliani foi seguido pelo presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz, que exaltou o trabalho dos produtores que mudaram a face do oeste da Bahia. “Transformaram um solo pobre em gerador de riquezas e produção. Parabéns aos produtores e empresários que acreditaram nesta região”, disse.

O presidente do Sindicato Rural de Luís Eduardo Magalhães, Cícero Teixeira, também se mostrou contente com os resultados, mas pede ajuda ao poder público para melhorar a infraestrutura de escoamento.

O prefeito Junior Maraba afirmou que sua gestão tentará facilitar a vida do produtor. “Sabemos da dificuldade, da luta muitas vezes para o escoamento dos grãos. Estamos aí para ajudar”, declarou.

O evento foi realizado na área que pertence à Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), dentro do complexo da Bahia Farm Show. Segundo o presidente da entidade, Odacil Ranzi, ele não pensou duas vezes quando o convite foi feito. “Quando o Alan Juliani me ligou, não demorei um segundo para liberar tudo o que precisava para realizar este grande evento. Aiba é uma associação, que assim como os sindicatos, trabalha em prol da agricultura”, declarou.

Evento multiplataforma

Este ano, a abertura da colheita precisou se adaptar por conta da pandemia da Covid-19, que requer uma série de medidas para evitar a propagação da doença. Diante disso, a cerimônia que costumava reunir produtores e autoridades do país inteiro precisou ser realizada, em grande parte, virtualmente.

Mas as equipes do Canal Rural mostraram — na TV, redes sociais e site — que o agronegócio pulsa inovação e é resiliente em momentos de crise. O evento foi realizado ao vivo, com cobertura multiplataforma.

“O Soja Brasil é uma coalizão de parceiros, um projeto dos produtores de soja do Brasil. Mostramos que o agro não para, e o Brasil mesmo neste ano de pandemia continua sendo um grande produtor de soja, garantindo alimento para o mundo”, disse o presidente do Canal Rural, Julio Cargnino. 

abertura nacional da colheita da soja

Presidente do Canal Rural, Julio Cargnino, fala durante a Abertura Nacional da Colheita da Soja. Foto: Odair Delanhese/Foto Sul Fotografia

Ele agradeceu à Aprosoja, na figura do presidente Bartolomeu Braz, por acreditar na importância da comunicação. “Ela nos une, conecta as pessoas. A força dos produtores de soja tem a ver com isso, com essa conexão. Vocês têm a mesma sede por conhecimento em todo o país, buscam tecnologias todos os dias.”, afirmou.

A Pérola do Oeste

A história do município de Luís Eduardo Magalhães, que sedia a Abertura Nacional da Colheita da Soja, começa na década de 1980, com a chegada dos primeiros produtores rurais, especialmente do Sul do país. Na época, o povoado de Mimoso do Oeste se resumia a algumas pequenas casas, um posto e um restaurante à beira da BR-242.

“Quando nós chegamos aqui, nos anos 1980, era tudo muito difícil. Não tínhamos estradas, não tínhamos energia, não tínhamos comunicação. Tinha um posto de telefônico, e no final de semana para fazer uma ligação tinha uma fila quilométrica”, relembra o presidente do Sindicato Rural do município, Cícero Teixeira.

Luís Eduardo Magalhães

Foto: Pedro Silvestre/Canal Rural

No início dos anos 2000, o povoado virou município e foi batizado de Luís Eduardo Magalhães, nome do filho do ex-governador da Bahia Antônio Carlos Magalhães. Em apenas duas décadas, a cidade se tornou um dos principais polos agropecuários do país. Hoje, é destaque na pecuária, na avicultura, na produção de algodão e de grãos, especialmente a soja.

Quer saber mais sobre Luís Eduardo Magalhães? Confira a reportagem!

Otimismo no agronegócio brasileiro

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, também participou da Abertura Nacional da Colheita da Soja, virtualmente. Em discurso aos produtores rurais de todo o Brasil, ela evidenciou que o cenário é de otimismo.

“A soja demonstra que é o carro chefe dos nossos grãos, produzindo cada vez mais, gerando emprego e renda e usando tecnologia. A demanda mundial crescente deve continuar por mais dois anos. Temos todos os motivos para acreditar que a soja brasileira precisará continuar sendo produzida nos atuais volumes, pois a demanda mundial vai continuar crescendo”, disse.

Tereza Cristina na Abertura Nacional da Colheita da Soja

Foto: Odair Delanhese/Foto Sul Fotografias

A ministra reforçou que muito tem se cobrado da soja nacional, como certificação e rastreabilidade, algo que o Brasil deve avançar e reforçar o compromisso do campo com as legislações. “É dia de comemorar e começar uma safra espetacular. O ouro do agro brasileiro vai ser cada vez mais respeitado, mostrando a qualidade e a sustentabilidade com que produtores plantam e colhem a sua soja”, concluiu.

Veja tudo o que a ministra disse durante o evento

Ainda no tema sustentabilidade, o chefe geral da Embrapa Soja, Alexandre Nepomuceno, defendeu que o Brasil só precisa mostrar os resultados do trabalho dos produtores, que é o mais sustentável do planeta.

De acordo com Nepomuceno, só com fixação biológica de nitrogênio, o Brasil deixou de emitir 180 milhões de toneladas de CO2 equivalente no ano passado. O plantio direto, que é usado em cerca de 60% das lavouras brasileiras, economiza a utilização de maquinário e, com isso, deixaram de ser consumidos 1,3 bilhão de litros de diesel. “Temos que defender isso”, afirmou.

Veja tudo o que foi dito pelo chefe geral da Embrapa Soja

Apoio ao agro no Congresso

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Sergio Sousa, enviou um recado aos produtores de soja do Brasil, colocando a entidade à disposição para lutar pelo setor no Legislativo.

Em sua mensagem, ele ressaltou que muitos objetivos já foram alcançados, mas há muitos outros, como o avanço da regularização fundiária no Brasil.

“Temos pautas paradas na Câmara e algumas no Senado, como regularização de faixa de fronteira, temos no governo a questão de regulamentação da questão da conectividade. Conversando com colegas e líderes do Congresso, percebemos uma sintonia muito boa entre as causas da FPA e a posição da Câmara e do Senado, com seus novos presidentes. Acredito que conseguiremos avançar tanto na regularização fundiária, defensivos agrícolas e licenciamento ambiental”, completou.

Veja a reportagem completa com o que foi dito pelo presidente da FPA

Fazenda modelo na produção de soja

A agricultura 4.0 veio para transformar a forma de produzir alimentos no campo, e a conectividade acoplada nas máquinas pode ser considerada um divisor de águas o agronegócio. Essa realidade pode ser conferida na prática, na fazenda Alvorada, em Tapaciguara (MG), que hoje é considerada a mais tecnológica do Brasil. A propriedade foi um dos destaques do evento desta quinta-feira.

Em 2019, a conectividade das máquinas na propriedade chegou a um novo patamar a partir da implementação do projeto de Unidade de Referência Técnica (URT). “Procurei a concessionária John Deere local, para apresentar um projeto que era tornar a Alvorada a fazenda mais tecnológica do Brasil. De pronto eles compraram essa ideia e começamos a trabalhar junto com a concessionária. O grande desafio era conseguir levar a informação da operação em tempo real utilizando a telemetria”, conta o produtor rural Guilherme Almeida.

Para resolver o problema de conectividade, a propriedade desenvolveu uma rede de internet própria. Foram instalados dez pontos de distribuição para garantir a conexão das máquinas em tempo real. Os dados operacionais e agronômicos gerados nas máquinas e as informações de solo pela agricultura de precisão, são reunidos em uma só plataforma, conectando fazenda, fábrica e concessionária, simultaneamente.

Saiba mais sobre a fazenda Alvorada nesta reportagem

Perspectivas para o mercado da soja vão discutidas no evento

Como em toda edição, a Abertura Nacional da Colheita da Soja juntou especialistas, também de forma virtual, para falar sobre os temas quentes do setor produtivo. O tema deste ano foi “Vendas de terras para estrangeiros, desafios de mercado, questões tributárias, tecnologias e o clima para a colheita”, tratados em dois painéis.

O produtor de soja brasileiro já vendeu aproximadamente 50% da safra 2020/2021. Com metade da produção a negociar, agricultores querem saber se este é o momento ideal para negociar e aproveitar os preços atuais. Para entender as perspectivas, o Canal Rural reuniu um time de especialistas em mercado no primeiro painel do evento.

Abertura Nacional da Colheita da Soja

Foto: Odair Delanhese/Foto Sul Fotografias

Foi consenso entre eles que a tendência para os preços da soja é de alta, porque há um forte descompasso entre oferta e demanda. “O mundo não produz a soja que consome. A oferta está muito aquém do consumo, principalmente da Ásia e da China, especificamente”, sintetizou o diretor da Sim Consult, Liones Severo.

Os analistas afirmam que os estoques mundiais do grão estão curtos, o que também colabora para a valorização da oleaginosa no mercado mundial. Segundo alguns deles, nem mesmo o início da colheita no Brasil e um possível aumento de área nos Estados Unidos na próxima safra vão ser capazes de derrubar os preços de forma significativa.

Confira a análise completa!

Agro de olho nas propostas de reforma tributária

No segundo painel realizado desta quinta, 4, o assunto foi a tão falada reforma tributária. Há três propostas no Congresso, sendo dois Projetos de Emenda Constitucional (Pecs) e um Projeto de Lei (PL).

O coordenador de assuntos econômicos da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Renato Conchon, explicou detalhadamente a diferença entre os projetos e como eles podem afetar o agronegócio brasileiro. Segundo ele, as entidades que representam um setor elaboraram um documento para que, qualquer que seja o texto discutido, que os parlamentares levem em consideração a importância de não se tributar o setor produtivo.

Bartolomeu Braz e Renato Conchon

Foto: Odair Delanhese/Foto Sul Fotografias

“Quando se propõe uma reforma tributária onde o carrapato tá mais gordo que o boi, temos um problema. Como disse o Sergio Souza, presidente da FPA, nós temos que fazer primeiro uma reforma administrativa no Brasil onde o prefeito consiga fazer uma gestão com menor custo. Temos estados inchados, um governo federal com mãos atadas”, afirmou o presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz.

Venda de terras a estrangeiros segue no radar

O terceiro e último painel da Abertura Nacional da Colheita da Soja discutiu o projeto de lei que altera as regras para venda de terras a estrangeiros, que deixou muitos produtores rurais preocupados. Representantes da Aprosoja Brasil disseram que a medida não foi discutida de forma transparente no Senado, onde já foi aprovada.

Abertura Nacional da Colheita da Soja teve debate sobre venda de terras a estrangeiros

Foto: Odair Delanhese/Foto Sul Fotografias

Entre as principais preocupações da Aprosoja estão a possibilidade de o projeto flexibilizar a venda de terras a estrangeiros a ponto de inflacionar o preço das terras e gerar o empobrecimento dos municípios, com a riqueza sendo enviada para fora do país.

O diretor da Aprosoja Brasil, Fabrício Rosa, questiona os verdadeiros interesses e atores por trás deste projeto de leite. “O debate principal é por que nós queremos mudar essa legislação? Quem seriam os beneficiados? Nós não estamos enxergando isso. Aprovaram um PL que muda a vida dos brasileiros em 45 minutos”, dispara.

Entenda um pouco do que muda e as preocupações do setor produtivo

Começa a votação para Personagem Soja Brasil da safra 2020/2021

A cada temporada, o Projeto Soja Brasil promove um concurso para valorizar as pessoas envolvidas na cadeia produtiva do grão: o Personagem Soja Brasil. Concorrem ao título produtores rurais e pesquisadores que fizeram contribuições decisivas para o desenvolvimento da cultura de soja no país.

Para ajudar nessa tarefa, o Canal Rural convidou parceiros, patrocinadores e apoiadores para indicar personalidades que são em referência em suas comunidades.

personagem soja brasil

Os indicados, divididos nas categorias produtores e pesquisadores, terão suas histórias exibidas no site Soja Brasil, nos programas Rural Notícias e Mercado & Companhia e durante toda a programação do Canal Rural.

A votação foi aberta durante a Abertura Nacional da Colheita da Soja,que aconteceu em Jataí (GO), dia 23 de janeiro. Confira a história dos participantes!

Máquinas em campo

A Abertura Nacional da Colheita da Soja é um ato simbólico, um dia em que produtores começam a colher o resultado de um trabalho árduo e bem feito. A oleaginosa colhida no Brasil é responsável por abastecer a indústria de proteína animal, garantindo segurança alimentar no país e em diversos países pelo mundo.

E esta celebração acontece este ano com o apoio da John Deere. As verdinhas da marca se espalharam pela lavoura cedida pela Aiba, fazendo vibrar o público da Abertura Nacional da Colheita da Soja.

Fonte: Canal Rural - Agricultura

Tags: brasil soja presidente produtores colheita

Leia a notícia inteira