Gamificação na Limpeza Profissional: o que é e como pode ser aplicada?

2 meses atrás 204 visualizações
LinkedIn

Jogos, dinâmicas, narrativas, prêmios e desafios: aquilo que poderia ser a descrição de uma brincadeira de criança é, na verdade, a grande aposta para a educação no século XXI.

O termo gamificação surgiu há vinte anos, defendendo conceitos e mecânicas do mundo dos games para serem aplicados à vida real na resolução de problemas. Mas a palavra só ganhou destaque a partir de 2010, quando as empresas perceberam a oportunidade de usar sistemas de conquistas e recompensas – similares aos dos jogos – para engajar colaboradores e interagir mais com os clientes.

Dali para a utilização na educação foi um pulo – já que a gamificação é uma ferramenta poderosa não só para desenvolver a criatividade e autonomia dos colaboradores, mas para despertar interesse e potencializar o aprendizado durante cursos e treinamentos.

O conceito de gamificação também chegou à Limpeza Profissional. Hoje, empresas de diferentes segmentos colocam em prática esta modalidade, adaptada até mesmo a colaboradores pouco habituados ao universo dos jogos. Conheça, nesta reportagem, três cases de gamificação para inspirar e incentivar o investimento em formação dentro de sua empresa:

Do tabuleiro gigante ao EaD

No fim de 2018, a ideia da gamificação se tornou realidade dentro da Paineiras. À época, todos os treinamentos aconteciam de forma presencial e a gamificação começou sendo empregada por meio de cenários – como um tabuleiro gigante, por exemplo – para promover a interação do colaborador com os conteúdos aplicados.

“A gamificação foi inserida em nossos treinamentos como uma estratégia didática, partindo do princípio de que nosso público-alvo são adultos, e estávamos com muitas faltas nos treinamentos presenciais”, explica Cristiane Vasconcelos, gerente de RH da limpadora. “Então, mudamos a estratégia e alteramos o formato para que houvesse mais aderência, sempre com a preocupação de aplicar a gamificação a partir dos conceitos da Andragogia, ou seja: uma educação voltada para adultos, suas necessidades e formas de aprender”.

Com a pandemia, foi preciso readequar processos. E como a empresa já tinha projetos para treinamentos via plataforma EaD, a crise sanitária só fez a tecnologia ser implantada mais rapidamente.
“Hoje, a maioria dos treinamentos operacionais da empresa está disponível na plataforma EaD e, embora tenhamos dois treinamentos presenciais gamificados (Técnicas de Limpeza Profissional e Departamento Pessoal), sempre utilizamos elementos gamificados também nos demais. Nos treinamentos em EaD, além do quiz online e interativo, usamos recursos como ranking dos alunos mais ativos no ambiente e pontuações para fazer o colaborador subir de nível, o que produz um efeito motivador de aderência aos treinamentos e uma competição saudável”, destaca Cristiane.

Já os treinamentos voltados à liderança contam com a gamificação no formato de entrega de “canudos”, que simbolizam diplomas. Aqueles que ganharem mais canudos no decorrer do programa, ao final do ano receberão um troféu físico, que simboliza sua excelência nos treinamentos.

“Este foi um projeto de ‘formiguinha’, no qual tivemos que conquistar a todos e mostrar que era possível, sim, ter o acesso online ao conhecimento, em uma plataforma EaD. Apesar de não termos ainda os resultados mensurados, posso dizer que o projeto está cumprindo com o previsto, tanto no número de acessos à plataforma, quanto em relação ao retorno recebido dos funcionários”, finaliza Cristiane.

Selos e prêmios para operadores de máquinas

Toda mudança de metodologia encontra, no início, certa resistência. Sai na frente a empresa que consegue agregar valor à nova atividade, para que as equipes troquem velhos hábitos e abracem os novos objetivos.

Foi o que constatou na prática a Kärcher, fabricante de máquinas para limpeza profissional que, desde 2011, já aplica aspectos lúdicos da gamificação em seus treinamentos, como forma de ampliar a aprendizagem não só de colaboradores, mas dos operadores de máquinas e ASGs que utilizam seus equipamentos.

“O formato de gamificação traz engajamento e reconhecimento ao operador no processo da prestação de serviços de limpeza”, aponta o gerente Nacional de Vendas, João Ricardo Galterio. “Decidimos utilizar a gamificação junto aos operadores porque tanto os treinamentos operacionais, quanto a manutenção diária dos equipamentos, são fundamentais para o processo efetivo de mecanização da limpeza, não só trazendo ganhos na operação, mas de durabilidade dos itens consumíveis e de desgaste natural dos equipamentos”.

Os treinamentos acontecem por categoria de equipamento (lavadoras de pisos, extratoras, aspiradores etc.). Cada etapa conta com diferentes mecânicas de gamificação, e o operador que alcançar a pontuação necessária recebe um “selo”, que indica estar apto a utilizar o equipamento. Após o treinamento, para manter os operadores engajados e realizando as manutenções preventivas, há avaliações periódicas que podem gerar pontos ou até premiações simbólicas por desempenho. Hoje, já são mais de 13 mil operadores inscritos e certificados em diversas atividades e diferentes segmentos.

“Com esse programa, nossos principais objetivos são: para os operadores, oferecer capacitação e acolhê-los por meio de treinamentos que se desdobram em metas simples no dia a dia. E, para as empresas, ajudar a reduzir os riscos de acidentes, os índices de manutenção e trazer mais eficiência operacional”, diz João. “Nossa contribuição social na capacitação dos operadores é o nosso melhor resultado, pois o programa é gratuito tanto para o operador, quanto para a empresa”.

Da vigilância à limpeza gamificada

A experiência da GPS com a gamificação começou ainda com as equipes de vigilância. “Tínhamos dois grandes desafios: engajar nossos colaboradores para compreender e seguir adequadamente os processos desejados, e passar essas informações de forma leve, interativa e que considerasse toda a nossa capilaridade. Neste sentido, após pesquisar várias ferramentas, entendemos que a metodologia que poderia contribuir conosco era a gamificação”, explica Laura Tamashiro, gerente de Desenvolvimento Organizacional da empresa.

O primeiro passo foi unir elementos de jogos, como desafios, pontuações, conquistas e avatares em um contexto de treinamento, e criar a mecânica de um jogo para celular. O segundo passo foi desenvolver essa ferramenta de forma a ser compatível com os aparelhos mais simples, considerando versões de sistemas operacionais que permitissem atingir o maior número possível de colaboradores, disponibilizando o conteúdo em escala.

“O game de segurança recebeu o nome de Academia de Supervigilantes, e nasceu com o objetivo de transformar a trilha de aprendizagem tradicional em uma experiência de jogo, reforçando conteúdo, procedimentos e a cultura da empresa, permitindo que os colaboradores fizessem suas escolhas, aprendessem com os erros em um ambiente controlado e, à medida que avançassem, tivessem aumentada a complexidade na tomada de decisões, até completar a trilha e se tornar um Supervigilante”, aponta Laura.

Após a experiência positiva, com mais de 3 mil colaboradores utilizando a ferramenta, o próximo passo da empresa é, em breve, lançar um piloto voltado às equipes de limpeza.

“Estamos fazendo um levantamento do perfil dos usuários e, então, iniciaremos a fase de construção da estrutura do jogo. A proposta será a mesma do game de segurança: reforçar e reciclar os procedimentos de trabalho. Mas, para a limpeza, a possibilidade de trabalhar de maneira mais lúdica, com imagens, associações e storytelling, nos motiva à construção de uma ferramenta que ultrapasse barreiras e nos permita levar o conhecimento a todos de forma igualitária”, conclui.

Fundação UniAbralimp

A Fundação UniAbralimp tem o compromisso de levar conhecimento ao setor de Limpeza Profissional por meio de todas as novidades e boas práticas pertinentes ao mercado. Por isso, a gamificação também está no radar da instituição.

“A gamificação é uma tendência, e está bastante latente neste momento em que atuamos num mundo digital. Essa modalidade vem como uma ferramenta educacional prática, que vai agregar muito na facilidade de aplicar o ensino e o conhecimento. A Fundação UniAbralimp tem projetos previstos de educação com o uso da gamificação que estarão disponíveis ao mercado e aos associados da Abralimp”, finaliza Denise Cruz, diretora Executiva da Abralimp (instituidora da Fundação).

Fonte: ABRALIMP.

Foto/Divulgação: ABRALIMP.



Fonte: Revista Higiplus

Tags: empresa colaboradores limpeza treinamentos gamificação

Leia a notícia inteira