Como acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030?

1 mês atrás 129 visualizações
LinkedIn

Imagem: Vinícius Mendonça/Ibama

O Brasil prometeu, em 2015, que acabaria com o desmatamento ilegal na Amazônia até o ano de 2030. Ou seja, o país teria 15 anos para pôr fim às práticas de garimpo, queimadas, produção agrícola ilegal, ação de grileiros, destruição de áreas indígenas, dentre outras ações que colocam em risco o futuro da floresta.

A promessa investida pelo Brasil, no Acordo de Paris, foi de manter a taxa anual de desmatamento da Amazônia abaixo dos limites estabelecidos pela Política Nacional sobre Mudança do Clima (estabelecido em 2010) que é de 3.925 km²/ano [1].

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA) [2], não conseguimos chegar nem perto da meta nos últimos anos. Desde 2017, a tendência é de crescimento chegando a mais que duplicar a meta em 2019 (10.129 km² de área desmatada). O ano de 2020 não traz notícias animadoras também. Segundo o Instituto Imazon, houve novo recorde de desmatamento na região amazônica com aumento de 30% em relação ao ano anterior [3]. O próprio MMA já projeta o número de 11.088 km² de área desmatada em 2020.

Imagem: Agência Brasil.

A verdade sobre a luta pelo fim do desmatamento é que, desde a promessa em 2009, o Brasil ainda não conseguiu frear significativamente a destruição de suas florestas. Com exceção do ano de 2012, os demais ficaram muito longe do ideal. A pergunta que surge, então, é: como o Brasil poderia cumprir a nova promessa feita no último dia 22 de abril na Cúpula do Clima?

Segundo o Observatório do Clima [4], o Brasil sequer tem os instrumentos necessários para atingir o compromisso no Acordo de Paris. As instituições que eram responsáveis pelos planos de contenção do desmatamento foram esvaziadas nos últimos dois anos e, no dia seguinte ao discurso, o Governo apresentou um corte de R$ 240 milhões no orçamento do MMA [5].

Taxa de Desmatamento na Amazônia Legal – INPE [6].

A resposta dura e realista, portanto, é: o Brasil não vai cumprir o acordado até 2030. Se não começar a agir rápida e seriamente hoje, talvez nunca consiga cumprir. O motivo é simples: no ritmo de desmatamento que estamos vivenciando ano a ano, não vai sobrar mais floresta a proteger.

Referências e Sugestões de Leitura:

[1] OBSERVATÓRIO DO CLIMA. Brasil não deve cumprir nem meta menos ambiciosa no clima. Disponível em: <https://www.oc.eco.br/brasil-nao-deve-cumprir-nem-meta-menos-ambiciosa-no-clima/>.

[2] BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Educa Clima. GRÁFICOS: desmatamento da Amazônia e do Cerrado em 2019 e mais 27 novos gráficos da sociedade civil! Disponível em: <http://educaclima.mma.gov.br/graficos-desmatamento-da-amazonia-e-do-cerrado-em-2019-e-mais-27-novos-graficos-da-sociedade-civil/>.

[3] JORNAL NACIONAL. Desmatamento na Amazônia é o maior dos últimos dez anos. Disponível em: <https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2021/01/18/desmatamento-na-amazonia-e-o-maior-dos-ultimos-dez-anos.ghtml>.

[4] OBSERVATÓRIO DO CLIMA. Brasil não deve cumprir nem meta menos ambiciosa no clima. Disponível em: <https://www.oc.eco.br/brasil-nao-deve-cumprir-nem-meta-menos-ambiciosa-no-clima/>.

[5] CORREIO BRASILIENSE. Após promessa de dobrar recursos, governo corta orçamento do Meio Ambiente. Disponível em: <https://www.correiobraziliense.com.br/economia/2021/04/4919825-apos-promessa-de-dobrar-recursos-governo-corta-orcamento-do-meio-ambiente.html#:~:text=Um%20dia%20depois%20de%20o,do%20Meio%20Ambiente%20(MMA)>.

[6] BRASIL. INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. PRODES (desmatamento). Disponível em: <http://terrabrasilis.dpi.inpe.br/app/dashboard/deforestation/biomes/legal_amazon/rates>.

Gostou do nosso conteúdo e quer fazer referência deste artigo em um trabalho?
Saiba como colocá-lo nas referências:

OLIVEIRA, Tassiana. Como acabar com o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030?. Autossustentável. Disponível em: https://autossustentavel.com/2021/09/como-acabar-com-o-desmatamento-ilegal-na-amazonia-ate-2030.html

Fonte: AUTOSUSTENTÁVEL

Tags: brasil clima disponível desmatamento amazônia

Leia a notícia inteira