Arroz: preço mais do que dobra e produtor recompõe margens na pandemia

3 meses atrás 46 visualizações
LinkedIn

O auxílio emergencial aumentou o consumo e os preços de praticamente todos os alimentos, especialmente daqueles que compõem a cesta básica. Na primeira reportagem da série “Produção e consumo dos alimentos na pandemia”, o Canal Rural fala sobre o arroz, que foi um dos campeões de valorização. Segundo análise da Cogo – Inteligência em Agronegócio, o preço do grão aumentou de 120,4% em um ano.

De acordo com o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Alexandre Velho, a alta é atribuída a uma combinação de fatores, a chamada “tempestade perfeita” que favoreceu o setor.

“Grandes países produtores, como China, Índia e Vietnã, seguraram parte de suas produções para garantir a segurança alimentar. O câmbio acima de R$ 5 favoreceu uma exportação maior e ainda tivemos um aumento no consumo, se fala em torno de 5%, em função da mudança de comportamento das pessoas que ficaram mais tempo em casa consumindo alimentos, principalmente da cesta básica”, diz.

Ministério da Agricultura acompanha negociações sobre tarifa do Mercosul Novo híbrido de arroz garante maior qualidade e resistência a doenças

O aumento da demanda desabasteceu o varejo. As indústrias foram obrigadas a aumentar o valor pago pelo cereal. Contudo, a maioria dos produtores não conseguiu embolsar toda essa valorização. “Só 10$ a 15% dos produtores tinham arroz para vender a R$ 100. A maioria vendeu no primeiro semestre, então não fez R$ 60”, disse Alexandre Velho.

Antes da pandemia, o consumidor pagava por um pacote de arroz de 5 quilos, em torno de R$ 10 e R$ 15. Com a chegada do Covid-19, o mesmo produto passou a ser vendido até a R$ 40. Nos últimos mês, o preço vem sofrendo uma acomodação, mas atingiu um outro novo patamar entre R$ 20 e R$ 25. Valor que dá ao produtor a possibilidade de recuperar um pouco o prejuízo das últimas safras e o otimismo para continuar na atividade.

“O arroz tem um alto custo de produção. Você gasta R$ 7 mil por hectare no mínimo. Isso vem em boa hora porque boa parte dos produtores estavam abandonando a atividade. Os custos fizeram com que de 30% a 35% migrassem para a soja”, afirma o presidente da Federarroz.

Segundo ele, o setor acredita em um cenário positivo em 2021. Ele estima que a próxima safra gaúcha seja de 7, 5 milhões de toneladas, 500 mil toneladas a menos em comparação a passada. O estoque está praticamente zerado, o dólar continua acima de R$ 5, o que favorece exportação. Tudo isso deve garantir ao arroz um preço justo.

Fonte: Canal Rural - Agricultura

Tags: pandemia arroz preço alimentos produtores

Leia a notícia inteira